Translate

quarta-feira, 22 de março de 2017

A infiltração da Jihad no meio AMERICANO principal no país dos IGNORANTES


Resultado de imagem para país dos ignorantes

2012 e as Ylusoes de 1 Profecia: A infiltração da Jihad no meio AMERICANO principal...: ‎‎ محمد عبد الباسط الفاروق ‎ com Roberto Pagung Schultz II e outras 90 pessoas‎. 7 de março às 18:48 · Is th...

segunda-feira, 20 de março de 2017

HOMENS ARMADASO INVADEM HOSPITAL E EXECUTAM LÍDER DO MST NO PARÁ

Homens armados invadem hospital e executam líder do MST no Pará

Vítima estava internada na UTI de hospital após sofrer ataque há dois dias.
Polícia Civil de Parauapebas abriu inquérito para investigar o caso.

Do G1 PA
Um grupo de homens armados invadiu nesta segunda-feira (20) o Hospital Geral de Parauapebas, no sudeste do Pará, e executou a tiros Waldomiro Costa Pereira, assessor do gabinete da Prefeitura do município e um dos principais líderes do Movimento dos Sem Terra (MST) na região.
Os vigilantes do hospital relatam que, por volta de 2h30, foram rendidos por cinco homens armados e encapuzados que chegaram em duas motocicletas. Três dos suspeitos entraram no prédio em direção à UTI, onde a vítima estava internada há dois dias, após sofrer um ataque dentro do próprio sítio, no município.

Segundo os vigilantes, toda a ação, que durou cerca de três minutos, foi registrada pelas câmeras de segurança do hospital. A Polícia Civil informou que abriu inquérito para investigar o caso.
Em nota, a Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, informou que irá disponibilizar todas as imagens do circuito interno de gravação do hospital para as autoridades policiais.

sábado, 18 de março de 2017

sexta-feira, 17 de março de 2017

Chico Xavier - Um Intruso no Espiritismo: Quando O Cruzeiro sentiu Muggeridge antes da Rede ...


Chico Xavier - Um Intruso no Espiritismo: Quando O Cruzeiro sentiu Muggeridge antes da Rede ...: É verdade que o mito "filantrópico" de Francisco Cândido Xavier já era trabalhado desde cedo, mas ele se tornou mais explícito ...

2ª ENTREVISTA COM PALEWA


2ª ENTREVISTA COM PALEWA


Ateu Poeta:_1:_E aí, como foi a ida na OAB hoje, 17/03/2017?

Palewa:_ A minha denúncia no MP (Ministério Público) foi por estelionato de início (nº2016.00379089), e no e-mail anterior descrevi os fatos e o motivo de eu estar procurando apoio do DH (Direitos Humanos) do MP, pois me sinto desrespeitada e ameaçada nos meus direitos materiais, morais e psicológicos (humanos).

Gostaria de acrescentar que muitos moradores antigos do Méier me garantiram que o espanhol tem vários bens imóveis; como o apartamento que ele me alugou estava com a documentação cartorial legalizada mesmo estando clandestino o apartamento na Prefeitura, me passou pela cabeça que os outros bens imóveis que as pessoas citam que ele possui possam estar na mesma situação. E ele lucra muito alugando-os. 

Ele pode ser um grileiro, podendo estar se apoderando ou se apossando de imóveis irregulares e/ou abandonados, cujos possíveis herdeiros nem saibam que tenham diretos, mediante falsas escrituras de propriedade, ludibriando funcionários de cartórios ou mesmo pagando para confeccionar documentos ilegalmente nos cartórios, como parece ter sido feito em relação ao imóvel que ele me alugou no Méier. 

Fiquei sabendo de denúncias alegando que fundos de pensão estrangeiros estão ligados a grilagem de terras no Brasil e soube também que muitos estrangeiros, principalmente italianos, conseguem terras e imóveis aqui de maneira ilegal e enriquecem bastante com a prática. 

Há  cerca de dois meses, um homem ligado ao espanhol chegou a me oferecer dinheiro em nome do estrangeiro por eu estar ameaçando acionar a PF  (Polícia Federal) e a Interpol por estar desconfiada da imigração dele e dos documentos pessoais que ele usa. Atitude que já tomei e ele ainda não sabe. 

Ele também chegou a ameaçar minhas felinas. Tenho duas gatas e temo pela segurança delas, não pude fazer  RO (Registro de ocorrência) porque as delegacias permanecem em greve e só registrando casos específicos. 


Passei a tarde toda na Comissão de Direito Humanos da OAB e desabafei bastante sobre a minha insatisfação com o Brasil e a nossa "Justiça." Eu acredito que valerá a pena, fui muito bem recebida e concordaram comigo que o espanhol Manolo tem perfil desses estrangeiros que se escondem por aqui, que pode ser um grileiro, etc. Ficaram perplexos com a quantidade de denúncias que protocolei contra ele desde o início de 2016, em vários órgãos diferentes, e até agora nada. 

O cara continua aí fazendo o que bem quer e ainda me perturbando, ofendendo, ameaçando e processando, certo de sua impunidade. 

A Comissão DH-OAB do RJ prometeu fazer o possível para me ajudar, mas todos sabemos o quão difícil é conseguir algo num país onde reina a corrupção. Reconheceram que ele é uma ameaça a coletividade, pois provei que não tem limites e nem respeito por nada nem ninguém com tudo que os mostrei. 

Contei a eles que desconfio que não estejam sendo omissos especificamente para a proteção única do estrangeiro, mas que parece haver algo maior acontecendo no bairro do Méier no RJ

Citei, na entrevista anterior, que descobri contas de água de apartamentos do prédio onde o Manolo possui um apartamento com conflito entre documentação cartorial e Prefeitura, estavam em nome da Congregação Católica de São Paulo, "Sociedade Amigos do Brasil". Contactei o Padre Mendes, responsável pelo lugar, e ele até pediu cópias de tudo para acionar advogado, mas nada mudou; e já tem um tempo que enviei tudo para ele. 

Na época, também estive pessoalmente com o Antonio Werneck, repórter do jornal "O Globo" há muitos anos, que também nada fez e nunca mais entrou em contato comigo. E assim tem sido até então, as  pessoas falam comigo, prometem ver algo ou ver a possibilidade de fazer algo, mas só somem e nem um "não" de satisfação tive. É frustrante passar por isso! 

Estou muito desacreditada de tudo. Não sei como viver mais no Brasil. Sinto só um profundo desgosto e vergonha por tudo aqui. Essa pátria nada tem a ver comigo, sinceramente. Algumas pessoas me falaram, não sei se é verídico, mas não duvido de mais nada, que há muitos outros prédios no bairro irregulares, mas com documentação de apartamentos legalizadas em cartórios, a maioria baseados somente em talões de IPTU. Os que são clandestinos pra Prefeitura muitas vezes recorrem à prática ilícita de furto de água, por não haver possibilidade de solicitar um hidrômetro de maneira correta. 

Se for verdade, pode haver muita coisa por trás disso tudo e um grande esquema. E o Manolo poderia ser um risco de trazer tudo à tona, já que ele foi pego por um problema de ter gato de água num prédio que usa nome da igreja; talvez por isso ninguém aja por mais que eu denunciei e reúna provas. 

Lembro que fui até a Taunay  & Rocha Advogados, atuais patronos da CEDAE, e nunca engoli o estranho comportamento de todos lá, até mesmo das recepcionistas. 

Todos pareciam tensos com a minha presença e sabedores de quem eu era exatamente. E fui a favor da CEDAE, que na data ia perder um processo onde a tia da moradora do apartamento vizinho do Manolo, cujo imóvel o RGI está conflitante com o do espanhol, reivindicava trocas de hidrômetros e isenção de contas de água que a cobraram num período que o imóvel estivera desabitado; porém, descobri que a caixa d'água dela podia se conectar ao imóvel do Manolo nos fundos do delaque o gato de água dele interferia nos valores das contas do hidrômetro dela e o RGI de ambos é igual, e nada disso estava informado no processo e a desembargadora julgou em 2ª instância sem saber da verdade íntegra dos fatos. Ela acabou ganhando a causa e CEDAE foi condenada a indenizá-la injustamente. 

Os advogados da CEDAE estavam cientes de tudo e nada fizeram, pois eu entreguei toda a documentação do que aleguei nas mãos deles. Não é estranho demais tudo isso? 

O Méier me parece acontecer coisas bizarras e inéditas; por exemplo: a delegacia da área  tem uns certos policiais que são figuras carimbadas  e que criaram raízes no local, incluindo o delegado titular. Nunca foram trocados de delegacia. São fixos há muitos anos na 23ª DP e nenhuma outra DP do RJ acontece isso. Por que esse privilégio? A troca de lotação dos policiais é justamente uma tática para combater a corrupção, a panelinha, etc. 

Nunca entendi isso e nenhum policial civil nunca soube me dizer o porque também. O que está acontecendo não sei, só sei que estou de saco cheio desse bairro, do país e de tudo. 

Não sinto mais alegria para nada desde que fui vítima desse espanhol, que possui um comércio na rua Coração de Maria (Bazar Bella Michelli), perto da Igreja e do restaurante Xodó. 


O meu emocional continua um caco, deixei claro na Comissão DH-OAB/RJ hoje que não sei como vou seguir em frente, ainda mais se tudo acabar impune, sendo o Manolo abusado e não se importando em causar danos materiais e psicológicos em ninguém, além de chegar até a por a integridade física e vida das pessoas em risco, como ocorreu comigo quando o apartamento passou a apresentar problemas estruturais, principalmente na parte elétrica. 

O Manolo  é perverso e se diverte com a dor que causa nas pessoas, principalmente em inquilinos e clientes de seu comércio que já se sentiram lesionados por ele. Eu fui a primeira que impõe limites a eles e luta ferozmente. 



No início de tudo chegava a passar policiais e outros homens mau-encarados por mim. Era uma sensação horrível de estar na mira de algo ruim, que nem sabia direito o que era. 


Pedi à Comissão para me ajudar, não porque fui vítima, mas para que não haja mais nenhuma. Eu já fui traumatizada, agora vou ter que aprender a lidar com isso; mas outras pessoas podem ser poupadas se houver união em prol disso e cobrança das autoridades para que tomem providencias. 

Meu  maior desejo é que tudo acabe a favor do bem e que um dia possa sair desse país, viver num país melhor e ter melhores condições de vida. Na verdade, nunca fui feliz aqui. Hoje, tenho horror de morar aqui. 

Eu me sinto um talento desperdiçado aqui, uma pessoa capaz que poderia ter uma vida muito boa num lugar mais justo e humano. Não consigo mais confiar em nada aqui, sinceramente. 

É muito angustiante ter que assumir isso, mas é o que sinto, é a minha verdade. Sei que lá fora não é 100% perfeito, mas muitos países não são tão imperfeitos como o Brasil



Eu abriria mão da nacionalidade brasileira numa boa também. Essa história toda só me agrediu e me fez me sentir desrespeitada por um estrangeiro no meu país, ou o que deveria ser o meu país. Foi uma afronta que nunca conseguirei engolir! 


Os dois arquivos printei no site da Prefeitura do RJ e mostra o processo administrativo que deu origem à notificação para derrubar o apartamento do espanhol em 2015, e o outro mostra a Congregação católica de padres solicitando ar-condicionado; mas o Padre Mendes da Sociedade Amigos do Brasil me garantiu que nunca tiveram vínculo com esse prédio e nunca foram do RJ, sempre estiveram em SP. 

Não entendo mesmo o que está acontecendo, só sei que não é certo ter contas da CEDAE em nome desta Sociedade vinculada ao prédio que não tem nada a ver hoje em dia com ela. E soube que muitos outros prédios no Méier usam o CNPJ dessa Sociedade, principalmente em contas de água da CEDAE; se for verdade, pode ser algum esquema de corrupção, afinal instituições religiosas são isentas de tributos e eu sempre discordei desse privilégio. Tudo é muito estranho mesmo!


A Comissão DH  da OAB disse que a demanda para eles tá grande, mas que tentará de tudo me ajudar, até mesmo a me livrar desse processo cara de pau dele. 

Eu te mandei os prints da Prefeitura para você anexar na 2ª entrevista  e depois farei um vídeo mostrando o resto da documentação que tenho:



Ateu Poeta:2:_ E como foi na Polícia Federal em 17/03/2017?


Palewa:_ Estive no dia 17/03/2017 na sede da PF no RJ e lá fui informada que o caso foi para a Delemig, delegacia situada no Aeroporto Internacional da Cidade. Enfim, não sei o que pensar, pois meu desejo mesmo é que ficasse com a Interpol. 

Tem um núcleo da Interpol no RJ. Agora é acompanhar o caso pela Delemig mesmo, vou dar um tempo e vou lá pessoalmente. Enquanto isso, continuo efetuando pesquisas nos arquivos de imigração da Polícia Marítima, estou até olhando as listas de passageiros dos navios que vi nas fichas consulares que consegui.

Também avisei por e-mail a Interpol de Brasília, mandei carta até para a PF da Espanha. Eu estou muito desconfiada mesmo do Manolo. Ele tem todo o estilo de vida desses estrangeiros que se escondem no Brasil. 

Ele é muito "171", alguém acha que foi uma pessoa íntegra quando estava ainda no seu país? Eu duvido muito! E é muito difícil e inédito lidar com tudo isso. Gostaria muito que o caso se espalhasse pelo Méier, afinal é o bairro que ele mora e tem um comércio e as pessoas precisam saber do que esse homem é capaz. 

O mal que ele me fez não pode ser mudado, só reparado por danos materiais ou algo do tipo; o que mais desejo agora é que não haja mais vítimas. Não desejo para ninguém o que passei na mão dele. Ele já teve o descaramento até de me assediar. Enfim, uma pessoa totalmente desrespeitosa e sem limites. Já passou da hora dele sofrer consequências pelo seus atos.

A atual companheira dele, por exemplo, é uma pessoa desequilibrada e é enfermeira de um grande hospital público do bairro e está aí defendendo ele com unhas e dentes; uma verdadeira hipócrita que enche a boca para falar que eles tem a proteção de "Jesus Cristo", logo "mal" nenhum que venha de mim os atingirá. Muito estranha ela! Vive tentando me agredir fisicamente também. E as pessoas precisam saber do comportamento deles, principalmente quem está no RJ e no bairro do Méier.


Ateu Poeta: 3:_ Você acha que esta seria a hora de outras vítimas do espanhol se unirem e o denunciarem em massa?

Palewa: _Sim, seria o ideal. Mas, em geral, as pessoas temem confrontá-lo. Aliás é porque não há união suficiente ou que perdure dos bons e vitimados, que as coisas não mudam no país. A união faz a força. A pessoa que foi mais longe em buscar justiça contra o espanhol fui eu, o resto só se limita a discutir com ele e não agir; a reclamar e divulgar que não gosta dele. E ponto final. 

A pessoa ruim só tem chance de aprender se sofrer consequências pelos seus erros, e ele nunca pagou por nada. Sempre encontrou omissos e covardes em seu caminho. Por isso ele resiste tanto a mim, insiste em me confrontar abusadamente; não está acostumado a confrontar pessoas como eu que fecha o cerco, denuncia, corre atrás mesmo do prejuízo. E eu fui a primeira a questionar a imigração dele e a investigar ele de fato, a buscar provas. 

Outra coisa que reparei é que ele é muito manipulador tanto quanto a atual companheira dele. Adoram se fazer de vítimas e apelar para a pena, a bondade e a culpa das pessoas. Usam até a religião para ficar atrás de um escudo. A mulher dele fala muito de "Jesus" pra mim. É uma hipócrita! Ele é outro! 

Se dizem evangélicos, mas é apenas um manto para parecer serem inofensivos. Mas na verdade esse estrangeiro e mulher podem traumatizar, podem levar as pessoas a ver a vida como algo sem sentido, a ver o mundo apenas como um lugar injusto; todos que já foram inquilinos dele que tive contato e vizinhos me relataram que viu diversas vezes ele humilhar, constranger e coagir seus locatários. Faz da vida das pessoas uma sentença, não um presente. Ele como locador é um torturador, chantagista e inimigo. 

Muita gente acredita que há bondade em todo mundo, mas para mim isso é ingenuidade. As pessoas tendem a suavizar gente ruim como esse espanhol, querem manter ilusões positivas e isso as torna mais vulneráveis a gente como ele que não presta. Pessoas como ele levam uma vida dupla, são persuasivos, e mostrar religiosidade é mais uma fachada, pois passa uma imagem de pessoa boa. E pessoas religiosas são mais crédulas na bondade alheia do que ateístas como eu. 

Eu ando bem cansada desse tipo de pessoa predadora se safando de todo tipo de coisas. Isso agride a minha personalidade e afeta a minha vida de maneiras que não me deixam feliz. Ao que parece, no Brasil o crime e a corrupção compensam!

(Entrevista iniciada em 17/03/2017 e Continuada em 18/03/2017)


Ateu Poeta
Historiador e Presidente do Jornal Delfos-CE

Entrevista via e-mail e Facebook nos dias 17 a 18 de 03/2017



Anexo: 
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil

Por Luiza Dulci (economista [UFMG], mestre em sociologia [UFRJ] e assessora do deputado federal Patrus Ananias [PT/MG])

Terra, capital e trabalho compõem a clássica tríade dos fatores de produção que embasam as análises e cálculos econômicos desde a Economia Política, não havendo, portanto, atividade econômica que prescinda da combinação destes fatores. Na atual conjuntura de mudanças que se abate sobre o Brasil e o mundo, muito tem se falado dos movimentos do capital e seus impactos sobre o trabalho. Entretanto, a questão da terra – tanto rural quanto urbana – é pouco discutida, apesar de ser peça-chave para a compreensão da dinâmica capitalista contemporânea.
Além de ser a guardiã de riquezas imateriais e tradições culturais, a terra possui relação direta com três dimensões fundamentais da soberania nacional: alimentar; hídrica; e energética. Todas elas encontram-se sob ameaça em função das recentes medidas tomadas pelo governo ou de outras em discussão no Congresso Nacional. Até o momento, o maior ataque foi a entrega do Pré-Sal. Mas a venda do patrimônio e das riquezas nacionais segue com o projeto de liberação das normas que versam sobre a venda de terras para estrangeiros.
A legislação brasileira em vigor sobre este tema, a Lei 5.709/1971, impõe limites à compra de terras por estrangeiros, inclusive para empresas brasileiras com controle acionário estrangeiro. A Constituição de 1988 tratou da matéria – em seu art. 190 – mas ela nunca veio a ser regulamentada, dada a complexidade do tema e da multiplicidade de interesses em jogo.
Anos mais tarde, em 1998, a Advocacia Geral da União (AGU) emitiu parecer que reinterpretou a orientação da lei de 1971 e abriu a possibilidade de compra de terras brasileiras por empresas nacionais com controle estrangeiro. Este entendimento veio a ser revisto em 2010, por solicitação do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), e resultou em novo parecer da AGU que retomou as restrições da comercialização de terras para estrangeiros no país.
A regulamentação da questão via atualização da legislação está em discussão no Congresso Nacional por meio do Projeto de Lei (PL) 2.289/2007, ao qual encontram-se apensados outros PLs, dentre eles o PL 4.059/2012, que propõe a liberação quase que irrestrita da aquisição de imóveis rurais a estrangeiros, pessoas físicas ou jurídicas. O PL de 2012 foi destacado como uma das prioridades da Frente Parlamentar Agropecuária e apresentado ao presidente Michel Temer, ainda na condição de interino, como uma das questões em negociação com a bancada ruralista na negociação do impeachment. Atualmente ele encontra-se em regime de urgência para votação na Câmara dos Deputados.
O interesse do atual governo em regulamentar e ampliar a presença de estrangeiros nas operações de compra e venda de terras no Brasil não se vê descolado de movimentos contemporâneos nos mercados globais de terra, os quais têm sido chamados de land grabbing.
Devido a conjunção das crises econômica, hídrica, climática, energética e alimentar, desde os anos 2000 e mais intensamente após 2008, a busca por terras cresceu em todo o mundo. Dados do Banco Mundial mostram que, antes de 2008, a comercialização global de terras crescia em média 4 milhões de hectares por ano. Entre 2008 e 2009, foram mais de 56 milhões de hectares agrícolas comercializados, sendo cerca de 70% concentrados na África.
Estudos sobre a América Latina e o Brasil apontam na mesma direção. Dados do Incra de 2008 (anteriores ao período de maior intensificação da corrida por terras) apontam que estrangeiros detinham cerca de 34 mil imóveis rurais no país, sendo 34% detidos por pessoas jurídicas. Os 34 mil imóveis somavam à época 4.037.667 hectares de terras, sendo mais de 83% classificados como grandes propriedades (acima de 15 módulos fiscais). Os dados são, contudo, imprecisos, em função das dificuldades de produção e disponibilização de informações territoriais por parte do Incra e da relação deste com os cartórios que registram as informações de posse. Soma-se a isso toda a sorte de manobras que sempre envolvem laranjas e grileiros.
A expansão das fronteiras agrícolas ou a reconfiguração dos espaços rurais têm sido marcadas pelo cultivo de commodities e pelo advento das chamadas flex crops, plantios flexíveis, que tanto servem à alimentação ou à produção de biocombustíveis, como é o caso da cana-de-açúcar. A produção de alimentos (food), fibras/ração (fiber/feed), floresta (forest) e combustível (fuel) – os 4 Fs em inglês – sintetizam o caráter da agricultura de exportação, diretamente associada ao capital internacional e à corrida mundial por terras.
Além da produção primária, o mercado de terras torna-se rentável pelo desenvolvimento de outras partes da cadeia produtiva das commodities e atrai empresas de maquinário agrícola, pesticidas, infraestrutura em geral, empreiteiras e construtoras de estradas e hidrovias. Acrescenta-se a estas dimensões produtivas, o aspecto da especulação, propriamente financeiro, que hoje é componente fundamental do setor agrícola.
Tradicionalmente tida como um ativo pouco líquido, bancos, fundos de pensão e outros agentes financeiros têm tido na terra fontes rentáveis para seus investimentos. Outros atores e interesses que têm tido protagonismo nas transações comerciais de terra no Brasil incluem capitais do próprio setor do agronegócio; capitais de setores sinérgicos e convergentes no agronegócio; capitais não tradicionais no agronegócio como empresas de petroquímica, automobilística, logística e construção; capital imobiliário em resposta à valorização das terras; Estados ricos em capital, mas pobres em recursos naturais; fundos de investimento; investimentos em serviços ambientais e empresas de mineração e prospecção de petróleo, conforme mapeamento de Wilkinson, Reydon e Di Sabbato (2012).
A abertura de nosso mercado de terras a estrangeiros, pessoas jurídicas e até mesmo Estados nacionais, têm consequências drásticas para o país. O ataque à soberania é somente um dos aspectos. Ressalta-se, ainda, os potenciais impactos desta abertura sobre a dinâmica de preços das terras do país.
E ainda as pressões sobre a agricultura familiar e a reforma agrária, indígenas, quilombolas e outros segmentos de povos e comunidades tradicionais, com reflexos diretos sobre a produção de alimentos saudáveis e os direitos das populações do campo. Por fim, destaca-se a reprodução de um dos maiores mecanismos de perpetuação da desigualdade no Brasil, a concentração da terra, que é também concentração de riquezas e poder.
---------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 14 de março de 2017

ENTREVISTA COM PALEWA


Ateu Poeta: 1:_ Descreva o caso que está acontecendo com você, do prejuízo financeiro e da questão judicial envolvendo um estrangeiro suspeito no Rio.

Palewa:Bom, eu aluguei um apartamento no Méier em 2015 e, após um ano pagando aluguel e taxas adiantado, tudo certinho, começaram a aparecer ilegalidades envolvendo o fornecimento de água e a própria documentação do imóvel. 

O apartamento também foi apresentando diversos problemas estruturais que o locador espanhol se recusava a resolver, e o que resolvi ele não me reembolsava. E isso tudo mesmo sendo comerciante e tendo uma loja situada na rua do imóvel mencionado, que negocia materiais de construção, tendo tudo disponível para manter o imóvel em condições humanamente habitáveis para seus locatários. 

Certos problemas na parte elétrica: estragou o meu microondas como também pôs a minha integridade física e vida em risco, pois levei um choque ao tomar banho. Deu infiltração, pequenas rachaduras, etc. Chamei a Defesa Civil e tenho um laudo. Quase estragou minha geladeira também, por três vezes, cheguei a jogar comida fora porque as tomadas viviam falhando e ele não resolvia nada. O imóvel não possui a certidão Habite-se, que é um dos principais documentos a atestar a legalidade do mesmo. 

Antes de alugar o imóvel, o espanhol certificou-me de que o mesmo estava registrado no Cartório de Registro de Imóveis e me mostrou carnê de IPTU, então nunca poderia imaginar que já havia notificação da Prefeitura desde 2015 autorizando a derrubada do apartamento, que foi publicado até em Diário Oficial. 

Então, para quem acha que a Prefeitura me informou errado é que se engana com a idoneidade dos cartórios envolvidos, ou ao menos foram ludibriados. Afinal, todos merecem a chance de defesa e a presunção de inocência. Mas o fato é que eu encontrei três vezes a engenheira da prefeitura e não acredito que ela se "enganaria" todas as vezes (rs). 

Os únicos que não são inocentes na história são o estrangeiro e a mulher que o vendeu o apartamento. As partes tinham ciência da irregularidade do imóvel e efetuaram a compra e venda de maneira deturpada, pois não é possível outorga de escritura pública de imóvel irregular, exigindo-se o retorno das coisas ao status quo ante. 

O espanhol sempre usufruiu o bem imóvel para fins lucrativos, assim caracterizando também o enriquecimento sem causa. Está clara a ausência de desmembramento dos fundos do imóvel maior ao qual era averbado e de individualização e matrícula registral próprias; logo por culpa da vendedora, por negociação de imóvel não desmembrado perante o Registro de Imóveis, configurada está a irregularidade do negócio firmado com o espanhol, e este nem pode alegar ter sido enganado, pois qualquer diligencia normal prévia que é necessária ser feita antes de fechar um negócio desses, logo descobriria as irregularidades. 

Então, o espanhol vive de lucrar com o imóvel e expondo as pessoas a riscos e constrangimentos, mantendo o bem locado em precárias condições, podendo e devendo ser punido como um negócio irregular, pois sendo a locação um negócio jurídico pelo qual se pretende obter lucro, necessário se faz que aquele que a ela se dedica tenha claro que como qualquer negócio, demanda investimentos para se manter como tal, doutra forma tutelaríamos incontinenti o enriquecimento sem causa de um contratante em face do outro. 

E até onde eu sei, o fato do imóvel locado estar em situação irregular, mesmo tendo a documentação legalizada (feita de maneira ilícita), é fato impeditivo a assinatura do contrato locatício. Eu caí foi numa armadilha, fui mais uma vítima lesionada. 

Recentemente, descobri que a mulher que o vendeu o imóvel morara numa rua do bairro, fui lá conversar com ela e fui atendida pelo seu neto; o rapaz ficou tenso, estava nitidamente nervoso, apesar de eu só ter perguntado pela avó dele. 

Ele disse que ela não estava em casa e me pediu para que eu voltasse no dia seguinte, e assim o fiz; porém fui surpreendida com uma placa de "vende-se" no local e ao sondar vizinhos, me avisaram que ela se mudou de repente sem falar com ninguém. Estranho demais, não acha? Mas sei muito bem o porque!

E agora eu que estou com problemas psicológicos, também financeiros pela situação do RJ de falência, entre outros fatores; e apesar de ter denunciado tudo referente ao imóvel e o gato de água descoberto no local, nada acontece. Nunca sequer foi chamado para dar um depoimento que fosse. 

E o estrangeiro é que está me processando, é justo isso? Acho que não! Parece mais do que evidente que ele acredita na sua impunidade, não se comportando em conformidade com o valor normativo do direito de ação, exercendo-o de forma irresponsável, desvinculando-o dos fatos concretos da vida, pois ignorou as denúncias já feitas por mim envolvendo o imóvel, e só citou os fatos que favoreciam suas pretensões que quer garantir a qualquer custo, escondendo a verdade íntegra dos fatos, agindo de maneira contrária aos deveres processuais de boa-fé e lealdade, que são preceitos básicos dentro da relação processual. 

E isso só causa mais danos psicológicos a mim, me deixa estarrecida tamanha cara de pau. Eu que sou brasileira, honesta, pareço não ter valor nenhum no meu país. Esse sujeito está aqui há anos, todo errado, e nada acontece. É assustador. Hoje mesmo [14/04/2017] , por volta das 17he pouco da tarde, sofri uma tentativa de agressão por parte da mulher dele na rua, pessoas que estavam por perto que a seguraram; já chegaram até ameaçar a matar minhas duas gatinhas com veneno. Estou horrorizada com tamanha maldade. E a mulher dele se diz evangélica, critica o fato de ser ateísta, mas hipocritamente defende todas as ilegalidades e injustiças do marido. 

Cheguei a pagar valores abusivos de água por um período, vindo depois a descobrir que a ligação de água era clandestina. A antiga inquilina dele que me confirmou o gato de água, então o denunciei à CEDAE, que constatou o crime, e foi mais um constrangimento que tive de passar. Está em curso um Inquérito Policial na especializada DDSD da PCERJ. E na delegacia, acompanhada da minha vizinha que acompanhou a vistoria da CEDAE no nosso prédio que constatou o "gato", ouvimos dos policiais civis que o espanhol constava como falecido desde 2009 no sistema da polícia, isso foi no dia 19/02/2016. 

Ainda questionamos se não seria um homônimo, porém os policiais foram taxativos em afirmar que não era! Depois de 8 meses sem nada acontecer, voltei a DDSD questionando a demora, não senti confiança mais nos policiais e fui atrás sozinha de averiguar que raio de pessoa falecida era aquela que consta até hoje no IP como autor do fato. E aí pude atestar que ele e o espanhol que me deu golpe, vulgo Manolo, não eram a mesma pessoa. 

O morto seria um tio homônimo. Porém, a delegacia não me deixou anexar as provas que o morto e o Manolo não eram a mesma pessoa nos autos, então protocolei a verdade na Corregedoria Geral unificada. Avisei o MPERJ e até tive uma audiência com o promotor que ficou encarregado de cobrar a conclusão da investigação do furto de água e o contei tudo. Manolo furtou água anos e não pode ficar por isso mesmo. 

Uma coisa até comentei com o promotor que me chamou a atenção, o falecido homônimo é muito velho para ser o Manolo, mas estranhamente, é o único imigrante espanhol que encontro prontuário de estrangeiro entrando no Brasil com documentos de entrada no país registrado na Polícia Marítima Federal, pois na época que viera para o Brasil vinham de "vapores"

Reparei que no processo que o Manolo move contra mim, a RNE (Registro Nacional de Estrangeiro) dele está vencida desde 2014 e a foto no documento em nada se parece com ele. E com os dados do documento não encontrei prontuários de estrangeiro atestando a entrada no Brasil. Então, começou outra saga, pois passei a desconfiar que ele está ilegalmente no meu país e possa estar usando documentos falsos. 

Inclusive, pesquisei que é mais comum esse tipo de coisas no Brasil do que supunha. Reuni um dossiê com vários documentos pessoais e certidões, do Manolo e do pai dele, e protocolei uma denúncia na PF. Não ficarei em paz até saber o que realmente está acontecendo, pois não sei mesmo se o Manolo é quem diz ser que é. Só posso dizer que bom caráter ele não tem, é abusado e se vangloria de nunca pagar por nada que faz de mal aos outros. Ele tem mais privilégios aqui que nós brasileiros. Nunca fui xenofóbica, adoro gringos e culturas diferentes; mas no meu país só quero quem soma e não quem só contribui para o nosso Brasil ficar pior. 

Gostaria de indicar links de matérias que falam de estrangeiros ilegais no nosso país e que atestam um histórico duvidoso da DDSD, delegacia especializada que instaurou o IP para investigar o furto de água e mantém uma pessoa já morta como autor do fato. O Manolo mesmo não está nos autos. Abaixo, os links:




Ateu Poeta: 2:_ Como Ninguém do próprio Ministério público aí se interessou pelo caso? Apartamento com ordem de ser derrubado pode ser alugado? E ele processou você alegando o que mesmo?

Palewa:_Eu procurei o MPERJ e o MPF. O promotor estadual que conversei só ficará responsável por cobrar à Delegacia Especializada da conclusão do IP que investiga o furto de água, porém tive que acionar a Corregedoria por conta de até hoje figurar como autor do fato um falecido homônimo do verdadeiro praticante do ato ilícito. 

Como um defunto cometeria o crime? Como a Polícia Civil até hoje não viu que o morto e o Manolo não são a mesma pessoa? Entreguei a eles o contrato de locação firmado entre mim e o Manolo e lá constava o CPF do mesmo, que não é igual do do morto. Eu estive até na casa do falecido espanhol, conversei com o neto dele e ainda consegui sua certidão de óbito, mas só consegui protocolar tudo na CGU, que a Corregedoria. 

Na delegacia mesmo só pegaram os documentos da minha mãe e jogaram de qualquer jeito dentro do IP, não protocolaram nem me deram nada que garantisse que entreguei aquilo lá. Fiquei muito chateada. E me arrepia só de pensar que o Manolo possa escapar de responder pelo crime, pois furtou água por muitos anos e milhares de brasileiros, com a crise financeira no RJ, estão tendo dificuldades de pagar contas como a de água em dia. E um estrangeiro furtou água por anos, e tudo certo?

Temo que propositalmente deixem prescrever o crime. por isso, avisei ao MP. A própria irregularidade do imóvel que não possui croqui, planta e certidão Habite-se, confirma o furto de água praticado com dolo específico, pois a CEDAE nunca daria um hidrômetro para um imóvel nessas condições e nunca teve caixa d´água também. O que aconteceu é que ele adquiriu a posse do imóvel em 2003 segundo a escritura pública do 7º Ofício de Notas do RJ, e nem isso poderia, só poderia haver um mero contrato de gaveta para quem conhece os trâmites legais, e desde então aluga o imóvel. 

Só em 2007 a CEDAE se deu conta que havia mais uma residência no prédio e incorporou a cobrança de água dele ao hidrômetro da vizinha, por estimativa. Porém a conta de água só chega em nome dela. A outra conta de água vinculada ao hidrômeto que abastece os outros três apartamentos do prédio está vinculada a um hidrômetro que usa o nome de uma Congregação de padres claretianos de SP. Achei muito estranho e contactei o padre responsável que me garantiu que a congregação religiosa nunca teve vínculo com o prédio e nunca teve sede no RJ. Na CEDAE não me passaram a informação de quem pois a conta de água no nome da congregação. Acredito que o prédio seja irregular. 

Sondei vizinhos antigos que me contaram que há muitos anos aqui era uma casa só e morava uma senhora sozinha que faleceu de câncer, mas ninguém soube me dar o nome dela. Não sei se após o falecimento dela o local ficou abandonado e invadiram e construíram apartamentos, pode ser até que haja herdeiros que nem saibam que tenham direitos sobre isso aqui. O que sei é que tudo é muito esquisito e ninguém faz nada. Avisei tudo a Corregedoria Geral de Justiça também.

Sei que muitos procedimentos investigativos e judiciais demoram, mas não entendo o porquê sequer após um ano e pouco nada, absolutamente nada aconteceu. É uma sensação de impotência horrorosa. Tive uma reunião com dois procuradores do MPF em dezembro de 2016, inclusive, pedi proteção pela situação com o espanhol, porém até hoje não me contactaram para dar um retorno, nem negativo e nem positivo. Então por isso resolvi ir direto na PF e não esperar mais

Sinto que estou muito exposta e lidando com um estrangeiro que pode ser muito perigoso, que nem se pode ter certeza exatamente de quem seja. Para piorar tudo, concomitantemente, o MPF abriu investigação contra a família do pai do meu filho por lavagem de dinheiro envolvendo as casas de câmbio deles (DG Câmbio), com várias filiais pelo RJ. Então, imagina a minha cabeça!? 

Estou péssima, me sinto cercada pelo mal e quem me conhece sabe que detesto coisas erradas; se tivesse dinheiro, sairia do Brasil e talvez até renunciasse a nacionalidade brasileira, pois não me orgulha ter nascido nesse país. Eu sinto vergonha de todas as injustiças e desigualdade sociais que sou obrigada a testemunhar diariamente. Quando há alguma justiça aqui, é tão demorada, que a vitória é amarga. E justiça tardia não é justiça

E imagina como é ver o caos na cidade do RJ pela crise financeira, colegas servidores sem receber salários, outros conhecidos desempregados e mesmo tendo bons currículos, e saber que esse espanhol e o irmão do pai do meu filho e sua mulher vivem muito bem porque não são pessoas idôneas. É podre! Me faz muito mal tudo isso. A diferença é que a família do pai do meu filho ostenta riqueza e o espanhol não, talvez por estar com uma documentação duvidosa para não levantar suspeitas. 

Não sei realmente o que esperar dos órgãos citados; na PF torço para o caso cair com a Interpol, pois há uma sede aqui no RJ e me parecem fazer um trabalho muito sério. Não parecem ser facilmente corruptíveis. Mas, quando protocolei o caso do espanhol na sede da PF no RJ, não sabiam pra onde iria a investigação, só avisaram que demora. E como controlar a ansiedade e a angústia? As coisas estão muito ruins para mim e estou me sentindo enlouquecer. E me sinto muito sozinha e desprotegida. É muita burocracia também pra piorar. 

Por isso, resolvi dar essa entrevista, para desabafar e aliviar esse sufocamento que sinto, esse aperto no peito. Como gostaria de viver num país digno e decente! Nunca esse desejo foi tão forte!

Por tudo que expliquei, financeiramente está ruim para todos e, para mim, não está diferente. Desde que a confusão se instaurou, não consegui sair do apartamento, então, o espanhol, como é abusado e não teme a justiça, acredita piamente que nunca será desmascarado e nunca virá à tona a situação real da ilegalidade do apartamento, resolveu me processar com um documento vencido desde 2014 e cuja foto do RNE dele nem parece ser ele, tentando retomar a posse do imóvel para continuar lucrando indevidamente e lesionando mais pessoas. 

Ele parece ser um psicopata. Ele até, na maior cara de pau, inventou uma taxa de condomínio no processo comum valor fixo que nunca existiu, como o prédio também tem uma situação mal explicada não há condomínio oficialmente instituído; então, o que prova essa cobrança específica dele?! Como esse cara é picareta! Irrita demais isso! Estou muito cansada, queria muito poder sumir hoje e nunca mais ver a cara desse sujeito.

Quem quiser saber a verdade, pode consultar o processo administrativo da subprefeitura do Méier nº 02/320.728/2007, que gerou a notificação nº 23/0159/2015 autorizando a demolição ou legalização do imóvel do espanhol, porém, até início de 2016 ninguém na prefeitura sabia da existência do espanhol. Fui eu que avisei a prefeitura sobre ele e foi autuado, o auto de infração dele é o nº 725686. 

A notificação foi publicada em resumo no Diário Oficial do Município do RJ

Agora, perguntas que não querem ser caladas na minha mente: como o espanhol comprou o imóvel nesse estado através de escritura pública e posteriormente conseguiu obter o RGI? O que embasou a confecção das escrituras, somente talão de IPTU? Porque antigamente expedia-se IPTU de qualquer jeito sem atestar a legalidade de um imóvel, visando somente a arrecadação de impostos? E isso facilitou várias fraudes. 

Hoje em dia, me parece que já não é mais assim, e que bom que não seja, pois olha o que tudo isso gerou no meu caso. E, antes de mim, teve várias outras vítimas inquilinas desse sujeito desonesto que poderiam ser surpreendidas do nada com autoridades públicas embargando o imóvel. Surreal tudo isso!

Ateu Poeta: 3:_Então, é um caso envolvendo uma falsidade ideológica (assumir identidade do tio), água ilegal, apartamento sem estrutura mínima para aluguel, por haver ordem de ser derrubado, uma possível coação à antiga dona, etc, Como pode não sido resolvido ainda em desde 2015? Como ficou o seu estado emocional com tudo isso, inclusive neste momento como está?

Palewa:Na verdade o espanhol não assumiu a identidade do tio, só acho o tio como imigrante legal no Brasil. A Polícia Civil que botou o morto como autor do fato no IP do furto de água e foi só aí que soube que havia esse homônimo. E com o nome deles só acho o falecido entrando no Brasil.

Os dados do documento que o Manolo usa, com filiação e data de nascimento diferente do tio falecido, não foi localizado o prontuário de entrada dele no Brasil. Não sei o que acontece, só sei que ao tentar provar que ele e o morto são pessoas diferentes, encontrei um outro estrangeiro chamado Manuel Romero, cuja foto é a cara do Manolo.

Já a foto o RNE que ele usa atualmente e está nos autos do processo que ele move contra mim, em nada parece com ele. Todos que viram não o reconheceram na foto. O que tem o nome Romero apareceu duas fichas consulares com numeração diferente, mas uma tem a data de nascimento adulterada. Mas a foto é muito a cara do Manolo, se não é ele, acho que ele tem um clone por aí... rs

Mando para você os documentos que provam o alegado acima; a foto preta e branca é a foto que está no documento usado pelo Manolo no dia a dia; as duas fichas consulares do tal Romero que citei, e a ficha consular do espanhol homônimo falecido. É tudo muito estranho, não há como se negar issoE sempre notei que o Manolo tinha muito medo de algo.

Meu estado emocional está péssimo, tenho várias crises de choro, pesadelos, ando muito estressada e angustiada. Até poque não é só o caso do espanhol e o processo dele injustamente em cima de mim, como também o caso das Casas de Cambio DG Cambio, do tio do meu filho por parte de pai e da esposa dele. Estão, sendo investigados por lavagem de dinheiro e isso tudo veio à tona ao mesmo tempo. Estou muito aflita e por estar emocionalmente instável, não consigo seguir a vida. Acho que enquanto pelo menos a questão do estrangeiro não se resolver, não voltarei a ter paz.

A água era furtada pelo simples fato que ele nunca conseguiria um hidrometro individual com a situação do apartamento irregular na Prefeitura, apesar de documentos cartoriais apontar tudo ok com o imóvel. Resta é saber se os cartórios envolvidos se corromperam ou foram ludibriados; mas uma coisa notei, a escritura que deu origem ao RGI se baseou no talão de IPTU.

O que a engenheira da prefeitura me disse é que imóvel é irregular e sem Habite-se, não possui matrícula e não existe juridicamente. O espanhol até poderia comprar o imóvel assim, mas mediante um contrato de gaveta que é algo informal. Agora por que uma pessoa de tantas posses, que possui tantos imóveis que vários no bairro me afirmaram isso, comprou um imóvel assim?

E por que ele se preocupou em legalizar a documentação de maneira incorreta, mas não fez de acordo com a lei pedindo licença na prefeitura para regularizar tudo? Ele já tinha a posse do apartamento mesmo, então só pode ser porque há vício na compra e venda, algo que ele tenta camuflar.

Não faz o menor sentido pensar de outra maneira o caso. Ele tem que ter o registro imobiliário cancelado e responder criminalmente junto com a mulher que participou junto com ele dessa trama. E por que nada acontece, denunciei tudo desde o primeiro semestre de 2016. E o lance da Prefeitura já rolava desde 2007, olha que absurdo! 

Mas só foi em 2015 que notificaram autorizando a demolição, notificação direcionada a tia da moradora do imóvel vizinho, pois para a Prefeitura, o imóvel do espanhol faz parte do imóvel vizinho, por não estar devidamente separado do mesmo (desmembrado). Não é uma loucura?! Aff!

Ateu Poeta: 4:_O Brasil facilitar demais a entrada de estrangeiros facilita a vinda de muitos mal-intencionados? Será que o Brasil deveria estreitar laços com a Interpol para facilitar deportações de imigrantes ilegais, principalmente criminosos?

Palewa:O Brasil é literalmente o país "mãe" para estrangeiros mal-intencionados, a maioria deles não teria a maior chance de enriquecer no país deles, como conseguem aqui facilmente desenvolvendo atividades ilegais. O espanhol da qual fui vítima tem um comércio aqui e pode estar lavando dinheiro, sonegando impostos e sei mais o que... 

Um caso famoso que me recordo bem é o do italiano Pasquale Scotti. Inclusive o estilo de vida dele é muito parecido com o do espanhol que fui vítima: não ostenta riqueza, era um pacato comerciante e que não tinha muita vida social. Nem a mulher brasileira do Scotti sabia do seu passado sujo na Itália. Ele se escondia no Brasil fazia 30 anos e era condenado no seu país por vários homicídios, pois pertencera a máfia Camorra. Ele foi deportado e torço muito que se comprovando ilegalidades na imigração do espanhol Manolo, o mesmo aconteça com esse sujeito, pois não acrescenta em nada para nós ter pessoas desonestas estrangeiras aqui. Afinal, já temos brasileiros que não prestam o suficiente!

O Brasil tem vários escritórios no Brasil espalhados por diversos estados, inclusive um no RJ que gostaria que pegasse o meu caso. Acredito muito no trabalho deles porque desde 2010 têm apresentando muitos resultados satisfatórios, pois já conseguiram deportar muitos estrangeiros ilegais. Há um tal "alerta vermelho" onde vários países ficam cientes de criminosos procurados. 

O que sempre achei absurdo foi a nossa Lei de Estrangeiros favorecer o imigrante que se naturaliza brasileiro e se casa com brasileira e tem filhos, mesmo que o cara esteja todo errado é difícil deportar. Só facilita se o país de origem tiver procurado o mesmo por questões judiciais. 

E o que mais me afeta é ver gente errada se dando bem aqui, principalmente financeiramente, ainda mais se for estrangeiro. Há tanta desigualdade e injustiça social no país, tanta corrupção, e ainda temos que suportar enriquecimento ilícito de gringos? 

Muitos brasileiros honestos sobrevivem com dificuldade, até mesmo ter uma faculdade e mais estudo não garante nada. Vejo muitas vagas de emprego só fazendo mil e uma exigências, até mesmo faculdade, e oferecendo um salário mixuruca em troca. Dá um aperto no peito; nem os nossos servidores públicos estão garantidos mais, vide os salários atrasados e parcelados em vários estados que decretaram falência de seus cofres. Milhares de pessoas pagam diariamente nesse país desigual por causa da corrupção, dos desvios de verbas públicas, e quem mais paga o pato é quem menos merece. 

Eu não tenho mais esperança no Brasil. Sinto uma imensa vergonha e gostaria muito de ir embora daqui. E vejo que a maioria aqui não se importam realmente em promover mudanças, as manifestações nunca duram e tudo segue como sempre, sendo empurrado com a barriga. 

Por isso, estou sendo vítima desse homem e tenho tanta dificuldade em obter ajuda, mesmo tendo provas e estando lutando por justiça. Quando fazemos isso, somos vistos como loucos. O certo é o errado, é ser omisso e engolir a seco todo o mal que nos fazem gratuitamente. Se você se defende, logo vem um dizer que você quer "consertar o mundo", ou que deve deixar "nas mãos de Deus" e por aí vai. E o mal vence porque os bons nada fazem. Ainda tem o fato que muitas pessoas boas não têm coragem de reagir quando atacadas, são as denominadas "ovelhas." Realmente é muito difícil e desgastante viver no Brasil.





A 1ª foto em preto e branco é a que o Manolo usa no RNE dele e que nada tem a ver com ele.

O 2º anexo é a ficha consular do falecido homônimo que seria tio do Manolo, cuja DDSD aponta como autor do fato incorretamente no IP de furto de água.


O 3º e 4º anexos são as fichas consulares em nome de Manuel Romero Otero, cuja foto sim parece muito com o espanhol Manolo que me deu golpe. 

Numa das fichas está rasurada a data de nascimento e não entendi porque haviam duas fichas com numerações diferentes para o mesmo homem.

Ateu Poeta: 5:_Por fim, por falar em Deus, além da tentativa de agressão física nesta terça-feita [14/03/2017], você também sofreu agressão verbal, inclusive, por ser ateia, não é verdade? Relate isso e faça suas últimas considerações, para fecharmos esta entrevista.


Palewa:_O espanhol sempre foi abusado e se fez de vítima, ele inverte tudo com muita facilidade. Então, sempre houve agressões verbais, principalmente se referindo a mim como "vagabunda" e alegando que tenho dívidas financeiras com ele, para ver o descaramento da pessoa! 

Nunca enfrentei alguém tão insensato assim, que paga para ver mesmo notando que não vou recuar. Em relação a religião, quem me agride sempre com essa conotação é a mulher dele que se diz evangélica. Ela sabe que sou ateia e fica me chamando de "filha de Satã", pedindo a Deus para os livrar do meu mal, para eu os esquecer e deixá-los em paz. E ela algumas vezes me abordava na rua e falava comigo como se tivesse me rezando ou exorcizando, era uma situação muito constrangedora e insana. E eu nunca citei nada religioso ou anti-religioso, até porque minha fase de revolta ateísta já passou (rs); antigamente até era militante, me prestava a discutir sobre isso, hoje já levo tudo com mais natureza e leveza, ao contrário dessa mulher que parece uma fanática. E é hipocrisia, afinal prova contra o homem dela tenho de sobra para que o casal pose de vítima. 

O fato é que ele sempre aprontou com os outros, mas nunca pagou por nada. Nunca encarou alguém como eu que costumo lutar pelos meus direitos, mesmo sabendo a dor de cabeça que dá fazer o que é certo e clamar por justiça num país que nunca se sabe o que esperar do nosso Poder Judiciário. Só espero que a verdade e o bem prevaleça. Sempre incentivei as pessoas lutarem por seus sonhos e direitos e, no momento, eu que estou com a vida estagnada porque caí nas armadilhas de uma pessoa ruim. Hoje em dia me sinto perdida, temerosa pelo futuro e sem saber o que esperar realmente dessa história absurda. 

Agradeço pela oportunidade de desabafar, até porque acho relevante as pessoas tomarem ciência de como é comum estrangeiros fazendo bagunça no nosso país; nem eu sabia que era tão "normal" assim. E nunca se sabe se de repente alguém não conhece ele e possa dar mais informações, ou até mesmo apareça outras vítimas. 

Eu diariamente tento me fortalecer e pensar positivo, mas confesso que está sendo uma tarefa árdua. Nosso país está em crise financeira, a corrupção e o descaso parece ter tomado conta de tudo, e cada vez fica mais difícil se defender, sobreviver e lutar para que o que é justo prevaleça. 

Eu só peço apoio das pessoas corretas, que torçam por mim e que compartilhem essa entrevista que adorei dar, que divulguem ao máximo para que não haja chance do mal vencer. É um alívio poder contar para todo mundo o que tanto vem me sufocando a meses.


E-mail da Palewa: palewatayssa@yahoo.com.br

Ateu Poeta 
Historiador, Presidente do Jornal Delfos
Entrevista via Facebook e e-mail
14/03/2017
(Rio_Ceará)
Anexos
Caso Pasquale Scotti: 

Caso citados no site "Ordem e liberdade":  http://ordemeliberdadebrasil.blogspot.com.br/2011/04/brasil-um-porto-para-bandidos.html

"BRASIL, UM PORTO PARA BANDIDOS ESTRANGEIROS

BRAÇO DA INTERPOL. Brasil bate seu recorde de estrangeiros capturados. Em 2010, 65 procurados pela polícia internacional foram localizados e presos pela Polícia Federal - ZERO HORA 04/04/2011

O Brasil atingiu, em 2010, seu recorde nas detenções de procurados pela Interpol (polícia internacional, que tem 188 países-membros). Houve a localização de 65 criminosos procurados no mundo inteiro. O acordo entre o Brasil e a Interpol vigora desde 1962 – em 49 anos, portanto, nunca criminosos escondidos no Brasil foral localizados com tanta frequência pela Polícia Federal (PF).

O delegado federal Luiz Eduardo Pereira, responsável pelo setor na PF, considera o aumento no número de prisões um reflexo da maior qualidade nas buscas. Pereira descarta a possibilidade de haver mais suspeitos no Brasil, o que levaria, naturalmente, a mais prisões – muitos dos presos estavam morando fazia anos no país. Até por isso, o delegado assegura que o que ocorre é, efetivamente, mais eficiência, que ele atribui à sintonia entre diferentes órgãos:

– O aumento do número de presos no Brasil se deve principalmente à mudança na forma de trabalho das instituições voltadas à persecução criminal internacional. A parceria mais estreita entre os órgãos envolvidos (polícias, Ministério da Justiça, Ministério das Relações Exteriores e Supremo Tribunal Federal) nos deu maior agilidade e rapidez para obter os mandados de prisão para fins de extradição.

Na comparação com 2009, o número de presos em 2010 é quase o dobro: haviam sido apenas 34 no ano passado.

Em 2011, por exemplo, já foi presa gente como o italiano Francesco Salzano, acusado de chefiar um dos ramos da Camorra, a máfia napolitana. Salzano foi localizado e detido em 11 de fevereiro, em Fortaleza. Depois, teve a prisão decretada pela Justiça de Nápoles por envolvimento em assassinatos de três pessoas, todos prováveis acerto de contas entre mafiosos. Em janeiro, um sérvio condenado pela prática de latrocínio (roubo seguido de morte) foi detido em Santos – ele vivia com a mulher e a filha usando um nome falso, trabalhou em vários locais e até comprou um restaurante em seu nome.

Outro criminoso que integrou o topo da lista da Interpol e foi localizado no Brasil é o megatraficante colombiano Juan Carlos Abadía, acusado de tráfico de drogas e mais de 300 homicídios. Sua prisão ocorreu em 2007, em São Paulo. Depois, em uma busca, a PF localizou e apreendeu R$ 3 milhões de Abadía, em espécie, na sua casa de Florianópolis.

Como funciona - A Interpol emite os seguintes alertas, para os 188 países-membros:

- O alerta no Canal Difusão Vermelha comunica sobre um suspeito procurado mundo afora.

- O alerta no Canal Difusão Amarela serve para informar e localizar pessoas desaparecidas.

- O alerta no Canal Difusão Negra tem como objetivo a identificação de cadáveres.

* São colocados, no canal, de acesso imediato aos países, nome, impressão digital e outros dados do procurado. O alerta chega à PF no sistema de internet chamado I 24-7 (Internacional, 24 horas e sete dias semanais), controlado pela secretaria da Interpol."